#07 Jovens Embaixadores da ONU

Oláaa minhas lindezas maravilhosas, como vocês estão?

Eu não pude participar no dia do encontro, pois estava paletsrando numa mesa Redonda com a ambientalista Marina Silva, a convite da OCA / ESALQ, o Laboratório de Política e Educação Ambiental da Universidade de São Paulo (USP).

A mesa foi sobre Municípios que educam para a sustentabilidade e Crise Climática. Caso se interesse pela temática, você pode ver a discussão pelo link:

https://www.youtube.com/watch?v=Qi6nPhDtnG8

Bora falar sobre o eixo PAZ da Agenda de Sustentabilidade da ONU?

“O Roteiro de Localização dos ODS não é um simples manual de implementação, mas sim uma sugestão de estratégias adaptáveis para ter uma melhor absorção e robustez da agenda 2030 em âmbitos subnacionais.” (Rodrigo Araújo, UNODC)

Nosso objetivo principal era entender como os governos poderiam se preparar para implementar os ODS a nível subnacional, ou seja, como democratizar a Agenda 2030 para comunidades, tribos, quilombos, periferias, favelas e demais localidades.

Para que a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) seja exitosa, é necessário seguir os seguintes pontos:

  1. Realizar avaliação de necessidades para priorizar os ODS;
  2. Desenvolver espírito de governança cooperativa;
  3. Alinhar planos locais e regionais;
  4. Mobilizar recursos públicos;
  5. Fortalecer capacidades para lideranças ágil e eficaz;
  6. Promover apropriação e corresponsabilidades;
  7. Desenvolvimento e aprendizagem;
  8. Escolhas baseadas em necessidades;

Como esta é uma temática densa, debatemos apenas o primeiro ponto: Realizar avaliação de necessidades para priorizar os ODS.

Análise de necessidades: processo holístico que envolve uma coleta e análise sistemática de informações que correlacionam as necessidades, condições e capacidades das pessoas que estão sendo observadas de uma comunidade específica para determinar as lacunas da situação presente observada e padrões institucionalmente reconhecidos.

Esse é um exercício suuuper dinâmico que possibilita o entendimento de diversas lacunas sociais de uma população específica, através da análise das:

  • Necessidades mais urgentes;
  • Condições de recuperações;
  • Capacidades individuais;

Mas para que essa análise ocorra de forma bem sucedida, é necessário levar em consideração as

  1. Diferentes necessidades e riscos;
  2. Severidade das condições;
  3. Compreensão comum das diferenças;
  4. Capacidades existentes e recursos;
  5. Respostas a curto, médio e longo prazo.
  6. Tomada de decisão mais eficiente;
  7. Evitar danos colaterais.

Tudo isso é feito com o intuito de ajudar a resolver priorizações difíceis quando os recursos são limitados, levando em conta as necessidades, severidades, contexto político e social, riscos, pertencimento, ODS, metas e indicadores.

Querido leitor, se você pudesse resolver apenas 1 problema na sua comunidade, qual problema seria?

[Aguarde os próximos textos]

Curtiu? Deixe suas palminhas, clicando até 50 vezes :) Aproveite para me seguir no Instagram, no Tiktok e no LinkedIn!

Ecofeminista antirracista atuante em temas globais. Formada em Relações Internacionais, Amanda empreende o PerifaSustentavel, é colunista da Agência Jovem de Notícias e atua como mobilizadora de redes do Youth Climate Leaders. Entusiasta pela Agenda 2030, tem o objetivo de mobilizar jovens para construírem um Brasil inclusivo, colaborativo e sustentável, através das redes Engajamundo, Global Shapers Community e United People Global.

#ForbesUnder 30 | Jovem Embaixadora da ONU | Ecofeminista Antirracista

#ForbesUnder 30 | Jovem Embaixadora da ONU | Ecofeminista Antirracista