Vocês já ouviram falar da rede Global Shapers???

A Comunidade Global Shapers é uma iniciativa apoiada pelo Fórum Econômico Mundial, composta por jovens líderes de 20 a 30 anos que tem um potencial danado para causar um impacto positivo em suas comunidades. Simplificando todo esse discurso, somos uma rede de jovens lacradores cheioooos de energia, dispostos a usar nossos dons e habilidades para empreender um mundo melhor!

Até parece história de super-herói, não é? hehe. Nossa comunidade é apartidária, os membros são auto-selecionados e somos nós mesmo que definimos o jeitão do hub! O que nos move é um desejo genuíno de desenvolver soluções para os principais desafios locais e globais =)

Agora se liga aqui, vou te contar como euzinha fui parar nesse time MARAVIGOLD!

Imersão Global Shapers — Hub São Paulo

Foi tudo beeeeem maluquinho! Assim que vi que as inscrições do Hub São Paulo estavam abertas, ouvi o Espírito Santo sussurrar no meu ouvido:

Em outras palavras, se queremos LACRAR LINDAMENTE, precisamos andar com pessoas que LACRAM LINDAMENTE! Eu stalkei alguns membros da rede e fiquei super boquiaberta, TODOS arrasam na vida!

Lembro que comentei com YESHUA:

(Ótimo argumento para uma oração, #sqñ kkkk). Bati um papinho com Jesus e resolvi me inscrever :)

A primeira fase do processo foi um Google Forms bem fofinho. Precisávamos falar sobre nós, nossos projetos individuais e de onde vinha a nossa motivação para entrar no Hub.

A segunda fase foi um pouquinho mais complexa. Tínhamos que explicar como desenvolveriamos um projeto em nossa comunidade (contendo cronograma, mensuração de impacto, materiais utilizados etc), com pouquíssimo tempo de planejamento e com pouca grana.

Também tivemos que compartilhar uma foto pessoal e escrever um tweet contextualizando a imagem.

Minha foto e tweet: “Pessu, olha que babado: fui convidada para discursar em nome da Juventude Latino Americana, no YOUNG AND FUTURE GENERATIONS DAY da COP 24!!!”

Na terceira e última fase, fomos divididos em 7 grupos de 5 pessoas. Nossa grande missão foi colocar a mão na massa e implementar um dos projetos desenvolvidos. O meu grupo estava repleto de gente maravilhosa, então foi bemmmmm de boas colocar em prática! Nossa ideia foi oferecer um dia de mentoria para uma xofên da quebrada, focando em diversidade e em empreendedorismo.

Empreender é suuuuuuuuuuuper divertido, nénommm pessu?

Claro que é leitor, SUPER QUE SIM!!!

(…)

Mas apenas quando você é homem branco hétero cis-gênero, que já acumulou uma quantia confortável de capital e não precisa pensar em estratégias mirabolantes para decidir qual conta pagará no final do mês!

Será que empreender continuaria divertido se você fosse uma mulher preta da periferia de SP, sem um tostão no bolso e sem nenhuma ajuda ou suporte?!

Foi esse ponto que Monique Evelle, Flora Bitancourt, Luana Cordeiro, Lucas Pontim e euzinha resolvemos atacar! Escolhemos trabalhar com a Jozi Belisiario, empreendedora de uma loja de bonecas Afro que deseja aumentar a representatividade para meninas pretas.

Ajudamos a Jozi com toda estruturação do modelo de negócio, desde a estratégia de comunicação, desenvolvimento da proposta comercial, visão global de sustentabilidade, responsabilidade social, plano de ação e encaminhamentos para os próximos passos.

Todo o processo foi INCRÍVEL, a ação teve um impacto gigantesco na minha vida! Infelizmente, fui ensinada que precisamos alcançar MUITAS pessoas para ter um impacto social positivo. MAS DESCOBRI QUE ISSO TUDO É O MAIOR CAÔZÃO, UMA GRANDE MENTIROOOOOOOOOOOOOOOONA!!!

Graças a esse projeto vi na prática que qualidade é melhor que quantidade, não precisamos atingir milhares de pessoas para gerar transformação! Ajudar outro ser humaninho a empreender vibrou de uma maneira muito intensa/gostosa/esquisita/divertida dentro do meu ❤.

Bonequinha da Jozi - @compreaneesa

Depois de 2 semanas, O MOMENTO DECISIVO CHEGOU!

No dia 06 de abril de 2019 todos os finalistas foram até a Arena Santander para a última etapa da seleção. A nossa missão era apresentar o projeto desenvolvido e compartilhar nosso pain point (ponto de dor ou pedra no sapato), ou seja, um objeto que representa o que mais nos incomoda na sociedade.

O meu pain point foi um anel que ganhei do mestre Vavá, paraense famoso mundialmente por seu mingau de Mucajá. Eu conheci seu Vavá em setembro de 2018, numa imersão do Climate Ventures.

Pessu, o mestre Vavá é um vovozinho maravilhosoooo, dono de uma empatia gigantesca e um coração que transborda. Quando eu o conheci ele me contou que andava bem tristonho, pois os jovens da sua comunidade só queriam comer bolacha trakinas e não davam a mínima para o seu Mingau terapêutico.

Na hora que ele me disse isso, pensei nos meus migos da facu. A maioria dos brasileiros super valorizam a cultura externa e nem percebem o quanto o Brasil é SENSACIONAL, dono de uma diversidade gigantesca e de riquezas imensuráveis!

A dor do Seu Vavá me atingiu como um hadouken!!!

Quando ele começou a compartilhar sua história, contanto o contraste entre os europeus que ADORAM seu mingau e seus sobrinhos que só querem comer McDonald’s, comecei a chorar intensamente, a ponto de ficar toda catarrenta e horrorosa. Pedi MILLLL PERDÕES pro Seu Vavá, pois naquele momento enxerguei a bolha que eu vivia, sem noção nenhuma da imensidão da nossa Amazônia.

Apesar do meu momento esquisito de histeria, seu Vavá foi um príncipe encantador! Ele me disse que estava tudo bem, colocou um anel de coquinho (MEU PAIN POINT) na minha mão e me abraçou bem apertado.

O anel mais valioso do universo ❤

Essa história ainda vibra muito forte dentro de mim. Minha alma se desespera todas as vezes que meus amigos falam que o Brasil está podre e que os EUA é o melhor lugar do mundo…

MAAAAAAAS, vamos diminuir o drama e voltar para o processo seletivo:

Compartilhamos nossas dores e apresentamos nossos projetos. TODOS OS PARTICIPANTES ARRASARAM NO ROLÊ! Tanta história linda, narrativas inspiradoras, experiências marcantes… O melhor de tudo foi o clima colaborativo que estava na sala!

Apesar de ser uma competição, o sentimento de inclusão e pertencimento estiveram presente durante todo o processo seletivo, parecia que nossas almas dançavam com a cooperação que estava viva naquele ambiente!

Nossa sociedade está mudando, os jovens realmente estão construindo uma realidade diversa e participativa!

❤ ❤ ❤ muito muito muito mas muito amor transbordando ❤ ❤ ❤

Fui para a casa com um sorriso bobo no rosto e uma sensação de dever cumprido. Eu sabia que tinha dado o meu melhor e as consequências não dependiam mais de mim, estavam nas mãos do meu Jesus maravigato.

E…

Entre mais de 350 inscritos, fui escolhida para integrar os novos Shapers do Hub SP!

E pra você que se amarra em números, olha que ahazô essa diversidade:

Dos 17 novos Shapers, temos:
- 14 negros (82,35%)
- 12 mulheres (70,59%)
- 9 mulheres negras (75%)
- 5 homens negros (100%)
- 10 periféricos (58,82%)
- 8 LGBTI+ (47,06% )

São Paulo se prepare, estamos bolando MUITOS PLANOS LACRADORES para cuidar de você ;)

Amanda Costa é estudante de Relações Internacionais, membro do Global Shapers Community e Coordenadora do Grupo de Trabalho sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (GT ODS), da ONG Engajamundo.

#ForbesUnder 30 | Jovem Embaixadora da ONU | Ecofeminista Antirracista

#ForbesUnder 30 | Jovem Embaixadora da ONU | Ecofeminista Antirracista