Artigo publicado no site Notícias de Impacto

Olá galera, tudo bom?

Me chamo Amanda, tenho 23 anos e recebi o convite do Portal Notícias de Impacto para compartilhar a minha história!

Apesar da pouca idade e do sorriso fofo (hihi), tive experiências transformadoras, que me arrancaram da apatia social e me prepararam para tudo que vivo hoje.

Chego em 2020 com um propósito definido:

“Ativar a reflexão sobre o papel dos jovens no campo individual, coletivo e político, com o intuito de despertar potências para transformar o Brasil.”

Frase bonita, não é? Vou te contar como ela foi construída, mas antes quero compartilhar parte da minha trajetória. LET’S BORA?

INFÂNCIA

Sou a filha mais nova de dois funcionários públicos. Desde pequena aprendi que o estudo é a ferramenta mais poderosa para LACRAR LINDAMENTE nesse mundo injusto. De acordo com a sábia pensadora Gisleide Cruz (ou minha mãe, como preferirem):

O mundo pode tirar tudo de você, menos o seu conhecimento.

Sou menina, preta, cresci num bairro periférico de SP e fui bolsista num colégio particular. Desde pequena aprendi que precisava estudar/trabalhar/me esforçar mais do que os outros para ter a mínima possibilidade de sucesso. Nesse contexto, desenvolvi uma determinação estrondosa, uma paixão por livros e habilidades comunicativas de destaque!

Estudei no Colégio Adventista de Vila Nova Cachoeirinha desde a 1º série até o 3º ano do ensino médio, sendo considerada aluna diamante pelas boas notas. Confesso que a imensidão de regras me tirava a paciência, mas reconheço que os valores cristãos e a inserção nos esportes foram essenciais para a construção do meu caráter.

Graças aos treinamentos do Prof. de Educação Física Petropalosck, fui campeã de vôlei e ganhei o troféu de melhor atacante por 5 anos consecutivos. Durante a minha jornada pelas quadras, o CAVNC foi referência no voleibol feminino!

Prof Petropalosck

JUVENTUDE

Me apaixonei pelos esportes e decidi entrar na Associação Cristã dos Moços (ACM) para aprimorar minhas habilidades de atleta. Na ACM, comecei a participar dos treinos de futebol e me apaixonei! Em 2013, passei a integrar a categoria SUB17 do time federado da Portuguesa Tiguer Luso.

Portuguesa Feminino — Tiguer Luso

Mas na vida, nem tudo é lindo e maravilhoso… =(

No final do Ensino Médio tive que fazer uma escolha desafiadora: batalhar pelo sonho de ser jogadora profissional ou abandonar a vida de atleta para me dedicar aos estudos. Escolhi a segunda opção, pois infelizmente o futebol feminino não é valorizado no Brasil e não há muitas perspectivas de crescimento. Meus pais foram essenciais nessa tomada de decisão: conversamos, refletimos e decidimos que eu alcançaria voos mais altos se me dedicasse integralmente aos estudos.

“Apesar da dor, foi uma decisão sábia!”

Em 2015 tive a oportunidade de viajar para os Estados Unidos para trabalhar como monitora de acampamento num Summer Camp da ACM (YMCA, em inglês). Se eu tivesse continuado jogando bola pela Portuguesa, não teria a coragem e a ousadia necessárias para encarar essa aventura.

YMCA Raintree Ranch

Trabalhei e turistei durante quatro meses! Com o dinheiro que recebi da YMCA, viajei para algumas cidades da Califórnia: fui para San Diego, San Francisco, Disney e Los Angeles! Eu tinha apenas 18 anos, mas sentia que poderia conquistar o mundo! hehehe

Caso queira saber mais, fiz 4 vídeos para compartilhar essa experiência:

YMCA Camp Marston

No ano seguinte, em 2016, comecei a fazer faculdade e iniciei meu primeiro emprego. Estudei Relações Internacionais na UAM e trabalhei como Jovem Aprendiz na Gusmão e Labrunie — Propriedade Intelectual.

Me apaixonei pelo universo das relações internacionais! Decidi guardar meu salário e meu vale refeição para investir em um segundo intercâmbio. Durante um ano e quatro meses, comia marmita gelada todos os dias e exclui a palavra “comprar” do meu vocabulário, todo meu dinheiro ia direto para a poupança!

O esforço valeu a pena: em junho de 2017 viajei para a Europa, dessa vez para trabalhar num Acampamento Bilíngue na Espanha, o YMCA Camp Zaragoza.

YMCA Camp Zaragoza

Após 2 meses, voltei para o Brasil e mergulhei nos estudos! Comecei a escrever minha Iniciação Científica e em novembro estava indo para Bonn (Alemanha), com o intuito de participar da COP 23 — Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas.

FOI UMA EXPERIÊNCIA SURREAL! ❤

Olha, eu não tinha um tostão no bolso, pois tinha acabado de voltar do intercâmbio na Espanha! Masssss, se a gente não correr atrás dos nossos objetivos, quem vai?

Com esse desafio em mente, decidi empreender meu sonho: fiz vaquinha, vendi brinco, rifa, ganhei a passagem áerea e recebi uma bolsa de 50% da World YMCA! Consegui ir para a Conferência e fui introduzida em um novo universo!

Conheci a galera do Engajamundo e me apaixonei pela missão da ONG:

“Mostrar para o jovem brasileiro que se ele mudar a si mesmo, seu entorno e se engajar politicamente ele poderá mudar a sua realidade!”

Eu estava em uma sala com diplomatas, políticos, representantes de empresas e de organizações cívicas, me sentindo SUPER CHIQUE por viver aquele momento com apenas 19 anos de idade! Na minha cabeça, eu precisava ser muito velha, inteligente, rica, poderosa, usar terninho e maletinha para frequentar espaços como esse kkkkk. Mas lá estava eu, de tênis, mochila e fazendo cara de quem estava entendendo tudo (eles falavam português, mas negociações climáticas eram tão confusas que parecia um dialeto do séc XII kkkk).

O Iago Hairon, coordenador do Engaja, me apresentou a organização e me contou o que aqueles jovens estão fazendo para causar um impacto no mundo! Naquele momento decidi que era isso que eu queria para a minha vida: participar dos diálogos globais, influenciar tomadores de decisão e co-construir políticas públicas com o intuito de impactar positivamente a vida de outros jovens brasileiros!

Engajadinhxs e José Marcondes (ex-embaixador do Brasil)

Desse modo, cheguei em 2018 com um propósito: participar da rede do Engajamundo e reproduzir o que eu experimentei na ONU. Assumi várias funções, ia em tudo quanto era evento e participava de váriassss reuniões por semana!

Logo no começo do ano fui contratada como estagiária de projetos estratégicos na OMRON Brasil, empresa japonesa de tecnologia, internet das coisas e inteligência artificial. Confesso que foi uma loucura conciliar faculdade, estágio e engajamento social, mas sobrevivi \o/.

Em julho fui escolhida para ser coordenadora do Grupo de Trabalho sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (GT ODS) e comecei a liderar um grupo com cerca de 80 jovens das cinco regiões do Brasil, que desejavam promover e implementar a Agenda 2030 da ONU em âmbito local.

Foi bem desafiador, pensei DIVERSAS vezes em desistir. Não tinha ninguém para me explicar “exatamente” o que eu deveria fazer, ninguém acompanhava meu trabalho para ver se eu estava no caminho certo e ninguém me parabenizava pelos espaços conquistados.

Com o tempo descobri que empreender é isso: desbravar um caminho novo, se aventurar por espaços solitários e abrir portas para que outras pessoas acessem esses lugares com mais facilidade.

2018 FOI UM ANO DE AVENTURAS!!

Em dezembro viajei para a Polônia, para representar parte da juventude brasileira na COP 24, em Katowice (Polônia), junto com mais 10 jovens da rede do Engaja.

Delegação de jovens brasileiros na COP 24

Vivi o improvável e superei estatísticas: eu, menina preta da periferia paulistana, fui escolhida para representar a juventude latinoamericana no Dia dos “Jovens e das Futuras Gerações”. Palestrei em inglês para mais de 200 pessoas, dei entrevistas para diversos canais de notícias do mundo e tive a plena convicção de que estava vivendo um pedaço da minha missão de vida!

Dia das Juventudes da UNFCCC

Voltei para o Brasil e continuei trabalhando na OMRON. A empresa era ótima e meu chefe era incrível! Contudo, eu fazia taaaaaanta coisa importante e divertida no Engaja que meu estágio parou de fazer sentido.

Comecei 2019 com tudo, participando de duas imersões que me transformaram profundamente: uma sobre Aprendizagem Autodirigida, do Alex Bretas (ALC — Agile Learning Center) e outra sobre as Funções Institucionais do Engajamundo e Racismo estrutural.

Nesses processos, aprendi que EU sou a principal responsável pelo meu aprendizado e vi que É possível ganhar dinheiro fazendo o que amo. Senti que eu PODIA SIM inovar e construir a MINHA trajetória, sem precisar copiar ninguém e fazendo algo que brilhasse os meus olhos!

Com esse pensamento queimando dentro de mim, fiz a coisa mais improvável no mundo dos universitários: pedi as contas do meu trabalho (um mês após renovarem o meu contrato) e resolvi usar meu último ano de facu para me dedicar integralmente aos estudos e ao voluntariado.

Claro que meus colegas de classe, familiares e conhecidos acharam que eu tinha enlouquecido completamente rs. Troquei o certo pelo duvidoso, abri mão de um bom emprego para trabalhar de graça em uma ONG! No entanto, vivi experiências TRANSFORMADORAS!

Comecei a frequentar espaços de poder e de tomada de decisão, fui convidada para palestrar na Assembleia Legislativa, fui entrevistada pela Globo e participei de vários painéis para compartilhar como a juventude brasileira está se posicionando como parte da solução dos principais desafios socioambientais! (Pode conferir tudiiin no meu insta :) @amandinhaccosta).

BEM CHIQUE, NÃO É?

Entrei na rede Global Shapers, do Fórum Econômico Mundial e vi que existem muitos jovens colocando a mão na massa e CONSTRUINDO a realidade que desejam viver.

Em setembro de 2019 fui selecionada para participar da imersão Sustainability Leadership Program, da United People Global, que é um programa de capacitação internacional focado nos objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Durante o programa desenvolvi o PerifaSustentavel, um canal de compartilhamento de conteúdo sobre sustentabilidade para as periferias de São Paulo.

Usei todas essas experiências para escrever meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), cujo tema é “O papel dos atores da sociedade civil para a promoção e implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), com ênfase no combate às mudanças climáticas”.

UFA!

Agora em 2020, a minha próxima aventura será co-coordenar um grupo de 10 jovens que participarão do High Level Political Forum, Conferência da ONU sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Nesse momento de retrocesso político nas questões socioambientais, é fundamental que a juventude participe desses espaços e tenha uma voz ativa nas decisões globais.

Com isso, traremos insumos, reflexões e ideias para aplicar todo conteúdo aprendido nas nossas comunidades locais e transformaremos nosso Brasil! ❤

Obrigada por ler a minha história! Caso queira saber mais, me chama no contatinho =)

Instagram: @amandinhaccosta
E-mail: amandacosta@engajamundo.org

Amanda Costa é internacionalista, liderança jovem e atuante em temas globais. Formada em Relações Internacionais pela UAM, empreende o Climathon Brasil, o PerifaSustentavel, coordena o Grupo de Trabalho sobre os objetivos de Desenvolvimento Sustentável (GT ODS) no Engajamundo e participa redes Global Shapers Community, United People Global e Youth Climate Leaders.

#ForbesUnder 30 | Jovem Embaixadora da ONU | Ecofeminista Antirracista

#ForbesUnder 30 | Jovem Embaixadora da ONU | Ecofeminista Antirracista